facebook
Loading
CLOUD
work-in-progress
Ciclo Vinte e sete sentidos
Organização: Granular
destaque
INSTALAÇÃO PERFORMANCE
QUA 14 DE SETEMBRO
Sala 2
18h30 · Duração aprox. 40 min.
3,5€ (preço único)
M12
Para mais informação,
consultar
marcbehrens.com

Folha de sala (pdf)
Informações e reservas
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Bilhetes à venda
Culturgest
Agências Abreu
Galeria Comercial Campo Pequeno
Casino Lisboa
C.C. Dolce Vita
El Corte Inglés
Fnac
Megarede
Worten
www.ticketline.sapo.pt
Reservas Ticketline 1820 (24 horas)
Granular é uma estrutura financiada pela Secretaria de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes

apoio
Field recordings e difusão electroacústica Marc Behrens

CLOUD é um work-in-progress que sofreu várias mudanças antes mesmo de ser revelado ao público. E o mais natural é que mais algumas aconteçam durante a sua apresentação e depois. O seu ponto de origem está no cruzamento de várias ideias, como um entendimento surrealista do espaço de actuação e do factor “entretenimento” e a possibilidade de a audiência se mover durante a performance, tendo em conta que um erro na escrita de “cloud” (nuvem) pode tornar a palavra em “could”, uma potencialidade. A nuvem é uma entidade modular de processamento da informação, mas também o suporte em que se imagina a existência de seres sobrenaturais.

Os materiais de CLOUD são organizados segundo micro-histórias, contadas por registos áudio até agora mantidos secretos, realizados durante um longo período em vários continentes, mas sempre no mesmo tipo de localização, esbatendo as definições que opõem público e privado, regular e excepcional, seguro e infiltrado. É a peça complementar de uma composição radiofónica conceptual intitulada CROWD e que terá a sua estreia em 2012.

 

 

O trabalho do alemão Marc Behrens consiste essencialmente na criação de música electrónica concreta e instalações, ocasionalmente também trabalha com fotografia e vídeo. As suas mais recentes actividades abrangem viagens para efectuar gravações sonoras de campo no remoto oeste da China e da floresta da Amazónia. Behrens tem realizado performances e exposições por toda a Europa, Médio Oriente, África do Sul, América do Norte e Leste da Ásia e colaborado com Jeremy Bernstein, Ana Carvalho, Bernhard Günter, Nikolaus Heyduck, Francisco López, Paulo Raposo e Achim Wollscheid, entre outros.

 

 

Sobre o ciclo

No seu poema An Anna Blume, Kurt Schwitters referiu-se em 1919 aos “vinte e sete sentidos” da sensorialidade – se tal pareceu então o delírio de um visionário, é finalmente uma realidade neste tempo de derrube das fronteiras entre as artes.

Já não há nichos criativos, apenas diferentes campos de acção artística que cada vez mais se encontram e se entrecruzam.

Integrando os mundos do som, da imagem e/ou do movimento, e adoptando em simultâneo os formatos de instalação e de performance, a série “Vinte e sete sentidos” abre as portas da percepção e da sinestesia.

CLOUD is a work-in-progress which has already undergone a number of changes, prohibitions and impossibilities before it was even scheduled to be presented. Further changes during the presentation and afterwards are likely to happen. Its point of origin lies at the crossroads of various ideas: a surrealist conception of the professional venue, and of “entertainment”, an audience that physically moves during the presentation, also bearing in mind that “cloud” if misspelled becomes “could”, a potentiality. It takes into account the concept of the cloud, a modular entity of information processing, but also a support on which supernatural beings are imagined to be located. CLOUD draws material from a set of microstories and an until now secret set of audio recordings conducted over a long period and various continents, but always in the same type of location, blurring the definitions of the oppositions of private and public, regular and exceptional, safety and infiltration. It is the complementary piece for a conceptual radio composition entitled CROWD due to be premiered in 2012.

Marc Behrens’ works mainly consist of concrete electronic music, installations, the occasional photograph or video. Behrens has performed and exhibited extensively across Europe, the Middle East, South Africa, North America and East Asia, working with Jeremy Bernstein, Ana Carvalho, Bernhard Günter, Nikolaus Heyduck, Francisco López, Paulo Raposo, Achim Wollscheid, among others.
© 2011 Culturgest