facebook
Loading
Paint Me
Uma ópera de Luís Tinoco e Stephen Plaice
destaque
© Alfredo Rocha
ÓPERA
SEX 17, SÁB 18
DE DEZEMBRO
Grande Auditório
21h30 · Duração aprox. 1h00
M12 · 25 Euros · Jovens até aos 30 anos: 5 Euros
Comprar bilhete
Mais info
Folha de Sala (pdf)
Informações e reservas
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Bilhetes à venda
Culturgest
Fnac
Worten
El Corte Inglés
C.C. Dolce Vita
Agência Abreu
Megarede
www.ticketline.sapo.pt
Reservas Ticketline
707 234 234
apoio

maerklin

Música Luís Tinoco Libreto Stephen Plaice Direcção musical Joana Carneiro
Encenação, cenografia, desenho de luz e conceito multimédia Rui Horta
Figurinos Ricardo Preto Vídeo Guilherme Martins
Electrónica e desenho de som Carlos Caires

Intérpretes: Tula Raquel Camarinha Ruth Eduarda Melo Stephanie Patricia Quinta Howard Hugo Oliveira Padre Job Tomé Lee João Rodrigues

Orquestra Sinfónica Portuguesa:
I Violinos Pavel Arefiev, Laurentino Ivan Coca Violas Ceciliu Isfan, Rogério Gomes Violoncelos Irene Lima, Luís Clode Contrabaixo Petio Kalomenski Flauta Katharine Rawdon Oboé Ricardo Lopes Clarinetes Francisco Ribeiro, Jorge Trindade Fagotes Carolino Carreira
Trompa Paulo Guerreiro Trompete Jorge Almeida Trombone Jarrett Butler Percussão Elizabeth Davis, Lídio Correia Harpa Carmen Cardeal Piano Nicholas Mcnair
Músico em cena Nicholas McNair Maestro assistente Kodo Yamagishi
Pianista correpetidor
Nicholas Mcnair

Assistente de encenação e produção executiva Cláudia Gaiolas
Caracterização Jorge Bragada e Raquel Pavão para Face Off Cabelos Helena Vaz Pereira para Griffe Hairstyle Máscaras João Prazeres Tradução do libreto Marta Lisboa
Operação da legendagem Catarina Lourenço Assistente musical Carla Lourenço

Uma encomenda da Culturgest
Co-produção Teatro Nacional de São Carlos, Culturgest

A minha ideia para Paint Me (Pinta-me) era juntar seis personagens, todas com uma vida interior bastante criativa e fértil, e explorar o que é que elas pensariam umas das outras quando limitadas a um compartimento de comboio. O modelo formal do meu libreto é a obra The Canterbury Tales, escrita por Geoffrey Chaucer no século XIV.
Os viajantes de Paint Me também vão a caminho de Canterbury, mas a diferença é que estes são estranhos que foram agrupados em virtude da aleatoriedade da forma de viajar moderna, e os seus contos são narrados para si próprios, nas suas próprias fantasias.
Na idade moderna, quase todas as viagens realizadas por indivíduos são conduzidas em silêncio e anonimamente. Cada um de nós tem apenas acesso a uma impressão visual ou aos maneirismos das pessoas que se sentam à sua frente. Esta introspecção em público abre um espaço de fantasia privado, no qual os nossos companheiros de viagem se podem tornar personagens de breves dramatizações psicológicas.
Tentei, sim, dar o formato de uma narrativa completa às fantasias de cada uma das personagens. O resultado é uma espécie de antologia de short stories em forma de ópera, enquadrada no contexto de uma vulgar viagem.
Stephen Plaice
My idea in writing Paint Me was to bring together six characters, all of whom have a prolific imaginative interior life, and to explore what they would make of each other in the confines of a railway compartment.
The model for my libretto is Geoffrey Chaucer’s The Canterbury Tales. The travellers in Paint Me are also on their way to Canterbury, but they are strangers thrown together by the randomness of modern travel. Their tales are not told publicly, but in their own imaginations. Most journeys in the modern age are anonymous and conducted in silence. We have only a visual or perhaps manneristic impression of the people sitting opposite us. This introspection in public opens up a private fantasy space, in which our fellow travellers can become the characters in instant psychological dramatisations.
I wanted to formalize each character’s fantasy into a full narrative. The result is a kind of anthology of operatic short stories, surrounded by the framework of an ordinary journey.
Stephen Plaice
© 2010 Culturgest