Exposição · DE 23 DE Fevereiro A 11 DE Maio de 2008
Galeria 2 · 2 Euros (Bilhete único para as duas exposições)

Frances Stark
The Fall of Frances Stark


Push, 2006
Latex, materiais impressos, fita de linho e autocolantes sobre painel
203,2 x 226,1 cm

Conversa com Frances Stark e Phillip Van den Bossche
Sábado, 23 de Fevereiro, 17h00

Visita guiada com Miguel Wandschneider
Sábado, 10 de Maio, 17h00

Visitas guiadas gerais
Domingos, 2 de Março e 6 de Abril, 18h30
Outras datas disponíveis para grupos organizados
(a partir de 10 pessoas)

A galeria estará encerrada nos dias 21 e 23 de Março.

É PROFESSOR?
Faça o download da ficha pedagógica com as propostas de exploração pedagógica para esta exposição.

Informações
21 790 51 55
culturgest@cgd.pt

Uma selecção de cerca de cinquenta obras, que contempla colagens, desenhos, pinturas e vídeos, produzidas entre 1993 e 2007, desvenda o universo cativante de Frances Stark, artista que tem repartido a sua actividade igualmente pela escrita de textos, ou, dito de outra maneira, escritora que desenvolve uma prática regular como artista. Frances Stark toma a escrita, o acto de ler e a voz (uma voz omnipresente que se insinua através do texto) como pontos de partida para as suas obras visuais. Nelas incorpora frases extraídas de fontes muito diversas, não raramente textos literários, que são submetidas a operações de repetição, reprodução, fragmentação e justaposição a outros elementos visuais. Frances Stark devolve-nos, em tom confessional, com um sentido autobiográfico oblíquo e fazendo uso de um humor em surdina, um olhar iluminante sobre o processo criativo e a imponderabilidade da vida.
A exposição é organizada pelo Van Abbemuseum em Eindhoven, em colaboração com o FRAC Bourgogne em Dijon e a Culturgest.

Curadoria:
Phillip Van den Bossche

A selection of around fifty works comprising collages, drawings, paintings and videos produced between 1993 and 2007 discloses the captivating world of Frances Stark, an artist who has divided her time equally between art and writing, in other words a writer who has a regular practice as an artist. Stark takes writing, the act of reading and the voice (an omnipresent voice that insinuates itself through the text) as starting points for her visual works. In them she incorporates phrases taken from very diverse sources, often literary texts, which undergo operations of repetition, reproduction, fragmentation and juxtaposition with other visual elements. Stark conveys to us, in a confessional tone, with an oblique autobiographical approach and humour on the sly, an illuminating view of the creative process and the imponderability of life.
The exhibition is organised by the Van Abbemuseum in Eindhoven in collaboration with FRAC Bourgogne in Dijon and Culturgest.