MÚSICA / CINEMA Sábado 30 de Janeiro a Sexta 5 de Fevereiro de 2010

Hootenanny
Comissário: Ruben de Carvalho


Folha de Sala (pdf)

Classificação: M/12

Informações e reservas
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt

Bilhetes à venda
Culturgest
Fnac
Worten
El Corte Inglés
C.C. Dolce Vita
Agência Abreu
Megarede
www.ticketline.sapo.pt
Reservas
707 234 234

Tecnicamente, trata-se de uma estrutura musical de doze compassos divididos em três frases de quatro compassos que se organizam em torno de três acordes (tónica, subdominante, dominante) alternando a voz ou o instrumento segundo um esquema AAB marcado pela alteração da terceira e sétima nota da escala diatónica (notas blue) cuja origem é habitualmente atribuída à influências das escalas pentatónicas africanas.
Pode ser assim ou não exactamente assim, porque nos blues o essencial são os intérpretes.
Os blues têm uma data de nascimento oficial: 14 de Fevereiro de 1929, quando a editora discográfica Okeh lançou um disco de Mamie Smith com um tema intitulado Crazy Blues. Passou-se isto em Nova Iorque, mas toda a gente está de acordo que os blues se formaram antes, ao longo do século XIX, entre a população negra dos estados do Sul, com destaque para o delta do Mississipi, a que o musicólogo Alan Lomax chama «a terra onde os blues começaram».
Foi também a Lomax que o cantor de blues Leadbelly explicou: «Quando lá pela noite dentro andas de um lado para o outro e nada te deixa contente, faças o que fizeres, então os Velhos Blues apanharam-te».
Em 2009 o Hootenanny foi dedicado a um dos berços da folk branca, as montanhas Apalaches; em 2010 procuraram o que Duke Ellington chamou a «folk music do povo negro», os blues. Começaram no Delta, mas, da Louisiana a Chicago, da pop ao rock, com passagem pela música erudita, são hoje uma influência essencial de toda a música popular, em particular, naturalmente, da que se faz nos Estados Unidos.
Falar-se-á de duas figuras essenciais da história, Josh White e Robert Johnson. Veremos imagens e filmes, ouviremos falar deles, escutaremos a sua música pela voz autorizada de biógrafos: Josh White Jr. e Elijah Wald. Josh White Jr. fará ainda uma master class dedicada à técnica única de guitarra do seu pai. Ouviremos um dos mais prestigiados pianistas de blues, Henry Butler e o grupo do guitarista Corey Harris, um dos mais importantes expoentes da cena de blues actual.
Ouvir-se-á essa estranha e sensual sedução da devil’s music, da música do diabo – dos blues.

 

 

Sábado 30
MÚSICA Corey Harris & The Rasta Blues Experience

Segunda 1
CINEMA Josh White
Comentários Josh White Jr.

Terça 2
MÚSICA Josh White Jr.

Quarta 3
CINEMA A propósito de Robert Johnson Cadillac Records
Comentários de Elijah Wald

Quinta 4
MÚSICA Elijah Wald
Robert Johnson: Roots and Branches

Sexta 5
MÚSICA Henry Butler

 

The blues have a 12-bar musical structure of three four-bar phrases and three chords. But what really counts is the performer. “Officially”, the blues were born on 14 February 1929, when Mamie Smith released a track called Crazy Blues. But all agree that it emerged long before that date, in the Mississippi Delta. It may have begun there, but it now influences all popular music.
At Hootenanny you can see pictures, watch films, and listen to the biographers of two essential bluesmen: Josh White Jr. for Josh White and Elijah Wald for Robert Johnson. Josh White Jr. will also hold a workshop on his father’s guitar technique, and there will be performances by blues pianist Henry Butler, and Corey Harris’s group.