facebook
Loading
Exposição · de 28 de outubro de 2006 a 20 de janeiro de 2007
Culturgest Porto

Francisco Tropa

expo

Caracol, 1997.
Caracol suspenso, folha de acetato com texto impresso e destorcedor
© Susanne Themlitz

Performance · Culturgest Porto
27, 28 de Outubro, 17, 18, 24 e 25 de Novembro, 8, 9, 15 e 16 de Dezembro, 22h00, 12, 13, 19 e 20 de Janeiro pelas 22h00.
Duração aproximada: 40 minutos ·
Entrada livre no limite dos lugares disponíveis

Conversa com Francisco Tropa · Culturgest Porto
18 de Novembro, 17h00

Peças performativas · Rivoli Teatro Municipal, 20 de Novembro
18h00 Tiro Inflectido *
19h00 Figura Sentada / Homem em Erecção
21h00 Gigante
Entrada livre no limite dos lugares disponíveis

* com André Maranha

Informações
21 790 51 55
culturgest@cgd.pt

 

Francisco Tropa (Lisboa, 1968) tem vindo a construir, desde o início da década de 1990, uma obra singular e inclassificável, de grande complexidade, atenta aos fenómenos sensíveis e à experiência de percepção. Nesta exposição, o artista apresenta uma instalação e dois filmes. Imagens e referências de origens muito diversas, a que não são alheios ecos de trabalhos seus anteriores e da história da arte, se associam numa invocação do mistério da vida e do acto criativo. Em vários momentos, a instalação irá funcionar como dispositivo cénico, entendido por analogia com a mecânica invisível do aparelho fotográfico, para uma performance em que perante os nossos olhos se desenrola o mistério do nascimento da imagem.

 

Curador
Miguel Wandschneider

 

Since the early ‘90s, Francisco Tropa (Lisbon, 1968) has been assembling a unique and unclassifiable, highly complex body of work, attuned to sensorial phenomena and the experience of perception. In this show, the artist features an installation and a film combining various images and references, some echoing his previous work and art history, with an invocation of the mystery of life and the creative act. At several given moments, the installation will function as a staging device, best understood through an analogy with the invisible mechanics of the photographic apparatus, for a performance that unveils before our eyes the mystery of the image coming to life.

apoio
estc culturporto

© 2011 Culturgest