facebook
Loading
Música · Domingo 13 de Abril de 2008
11h00 · Grande Auditório· Duração 1h30

Concerto interpretado
e comentado
por Jorge Moyano


Folha de Sala (pdf)

Classificação: M/6

Dezasseis anos – e um oceano – separam a Sonata para piano de Alban Berg (1908) da Rhapsody in Blue de Gershwin (1924). Pelo meio, uma guerra põe o derradeiro ponto final no século xix. É nesse período, entre 1914 e 1917, que Ravel vai escrevendo as seis peças que constituem Le Tombeau de Couperin, dedicando cada uma delas à memória de um amigo morto no conflito.
Nascidas em contextos socioculturais muito diferentes, as três obras reflectem igualmente, na sua génese, motivações bem distintas.
É como aluno de Schönberg que Alban Berg compõe o que será a opus 1, única parcela da sua produção dedicada ao piano solo. Pede-lhe o mestre que escreva um andamento em forma-sonata, e logo o exercício escolar se converte numa pequena pérola da literatura pianística.
Ao invés, é com o Tombeau que Ravel se despede da obra para piano solo, homenageando em Couperin os cravistas e a música francesa do século xviii.
Quanto à Rapsódia, ela é o resultado de uma encomenda visando a participação de Gershwin num concerto totalmente dedicado à música americana. Foi a oportunidade para o compositor, até aí quase exclusivamente identificado com as canções e os espectáculos ao gosto da Broadway, enveredar por caminhos, segundo ele, mais eruditos.
O programa propõe assim uma viagem através destes três universos musicais, partindo de um Berg ultra-romântico, detendo-se na escrita requintada e com ressonâncias arcaizantes de Ravel para concluir com a pulsação frenética do Novo Mundo de Gershwin. Aqui fica o convite.

Jorge Moyano (1951) iniciou os seus estudos musicais na Fundação Musical dos Amigos das Crianças. Em 1968 concluiu o Curso Superior de Piano no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, na classe da Profª Maria Cristina Lino Pimentel, tendo posteriormente frequentado vários cursos de aperfeiçoamento sob a orientação de mestres como Helena Moreira de Sá e Costa, Karl Engel, Claude Helfer, entre outros. Em 1974 terminou o curso de Engenharia Civil e, em 1975, ano em que entrou para o Conservatório como professor de Piano, passou a dedicar-se exclusivamente à música. Teve a oportunidade de se apresentar no estrangeiro, desenvolvendo a sua actividade não apenas como solista mas igualmente no domínio da música de câmara. Sendo frequentemente convidado para tocar com as diferentes orquestras portuguesas – Gulbenkian, Sinfónica Portuguesa, Nacional do Porto, Metropolitana de Lisboa –, foi também solista com a Orquestra de Câmara da Comunidade Europeia e com a Sinfónica de Tóquio. Detentor de diversos prémios nacionais, exerce actualmente funções docentes na Escola Superior de Música de Lisboa e mantém simultaneamente actividade como concertista. Editou um CD com obras de Schumann.

 

Piano Jorge Moyano

Programa:

Alban Berg
Sonata opus 1

Maurice Ravel
Le Tombeau de Couperin

George Gershwin
Rhapsody in Blue

 

Sixteen years separate Alban Berg’s Piano Sonata and Gershwin’s Rhapsody in Blue. In between, Ravel wrote Le Tombeau de Couperin for friends who had died in WWI. All three works have very different origins.
Berg was Schönberg’s pupil when he wrote his sonata, his first work, while Tombeau was Ravel’s last solo piano piece and Rhapsody was commissioned for a concert of American music. Jorge Moyano guides us through these three worlds.
Jorge Moyano studied at Lisbon’s National Music Conservatory and then under Karl Engel, Claude Helfer and others. He has played solo and chamber music. He often makes guest appearances for Portuguese orchestras and has released a CD of works by Schumann.

© 2010 Culturgest