facebook
Loading
arquivo > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
Dança · Sexta 8 e Sábado 9 de Fevereiro de 2008
21h30 · Grande Auditório· Duração 2h30 c/ intervalo

Swan Lake, 4 acts
(Lago dos Cisnes, 4 actos)
De Raimund Hoghe


© Rosa Frank

Folha de Sala (pdf)

Classificação: M/12

“Alinhadas numa fila estão doze cadeiras desdobráveis. E em redor apenas uma sala nua com um negrume vazio e pesado. Não é assim que começa o Lago dos Cisnes! Onde está o Jardim, o Castelo, os convivas em vestes festivas? Onde está o aniversariante, o Príncipe Siegfried, cuja maioridade está a ser festejada? Com vozes russas, distante, um som quebrado, um Lago dos Cisnes esganiçado em vinil. A ‘Introdução’ de Tchaikovsky bem tenta em vão preencher o vazio dos primeiros minutos. À espera do quê? Por fim chega alguém. Não é o príncipe: trata-se de Raimund Hoghe, o coreógrafo em pessoa. Um duende de negro, metro e meio de altura, corcunda. Será de confiança?
Na pele de ‘Mestre de Cerimónias’ acende uma vela, no fundo do palco, senta-se e aguarda. Até chegar um segundo homem para esperar com ele, e um terceiro, todos de t-shirt e calças. E então chega uma mulher. Saltam à vista os traços refinados do seu rosto, o pescoço elegante, o andar clássico, os sapatos de salto alto. A sua aura de bailarina poderia cair bem a ambos os papéis, a jovem cisne recatada Odile e a negra, fria e calculista Odette, com as suas vibrações provocadoras e magnéticas. Senta-se e faz o mesmo que os demais. Nada.
Estranho jogo. Entre o público sente-se a inquietação. Está prestes a decidir-se, êxito ou fracasso? Talvez seja agora que os primeiros espectadores abandonam a sala. Hoghe sabe como manter a incerteza e leva-a à exaustão. Repentinamente começa o ritual, um sonho hipnotizante onde o ser e o parecer, ilusão e realidade, se fundem. Sempre com trechos da famosa partitura, é fácil deixarmo-nos ir…”
Marianne Mühlemann
Der Bund, 18.06.2007 (Trad. Nuno Bom de Sousa)

Europeu simultaneamente moderno e arcaico, contemporâneo e mitológico, Raimund Hoghe é uma personalidade siderante. Coreógrafo, bailarino, performer e quase artista plástico, parece conhecer tudo o que diz respeito ao palco como se fosse a sua alma, lenda ou memória. Raimund Hoghe foi jornalista, escritor em Wuppertal, tornou-se o dramaturgo de Pina Bausch. E um belo dia, este homem pequeno e corcunda de olhar ora penetrante ora desarmado, deu o salto. Torna-se o dramaturgo da sua própria diferença, o argumentista de um corpo radicalmente outro, mais vasto do que o mundo, reflexo dos nossos segredos mais insondáveis.
Daniel Conrod

 

Conceito e coreografia Raimund Hoghe
Colaboração artística Luca Giacomo Schulte
Intérpretes Ornella Balestra, Lorenzo De Brabandere, Emmanuel Eggermont, Raimund Hoghe, Nabil Yahia-Aissa
Música Tchaikovsky, O Lago dos Cisnes
Luz Amaury Seval, Raimund Hoghe
Som Frank Strätker
Produção e digressões Julie Bordez
Produção Raimund Hoghe (Düsseldorf), Groupe Kam Laï (Paris)
Co-produção Festival Montpellier Danse 05, La Bâtie – Festival de Genève, Tanzquartier Wien Residência de criação em Le Quartz – Scène Nationale de Brest, Centre Chorégraphique National de Franche-Comté à Belfort, Le Vivat – Scène conventionnée d’Armentières
Com apoio do Kaaitheater (Bruxelas)

 

An unusual start to Swan Lake, with 12 folding chairs in a bare hall. Where are the garden, the guests, Prince Siegfried? And the first person to appear on stage? The choreographer Raimund Hoghe. He lights a candle, sits down and waits. A second man appears, then a third, in t-shirts and trousers. Then an elegant woman in high heels – Odile or Odette? But, like the others, she just sits down. The atmosphere is tense and uncertain.
The short, hunchbacked Hoghe is a choreographer and performer with a deep understanding of the stage. He was playwright for Pina Pausch before striking out on his own, his work reflecting his own “otherness” and our deepest secrets.

© 2010 Culturgest