facebook
Loading
arquivo > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
Conferências · 4ª.Feiras 4, 11, 18 e 25 de Fevereiro
18h30 · Sala 2· Duração 2h00

O Fulgor da Grécia: o olhar, a palavra, o gesto
Por José Pedro Serra


O Cavalo de Tróia (1924) de Lovis Corinth © bpk / Nationalgalerie, Staatliche Museen zu Berlin. Jörg P. Anders
Classificação: M/12

Mais do que fórmula literária, a “Aurora de dedos róseos” é verdade poética no seio da qual está uma intensa experiência de luz, ou do desejo dela. O surgimento dos seres, emergindo do fundo caótico da noite indistinta e revelando-se à luz da “Filha da manhã”, constitui radical momento de espanto por alguma coisa ‘ser’. Este desejo de luz e de ‘ser’, pela madrugada anunciado, manifesta-se no vocabulário onde a clareza da apreensão intelectual é entendida como o prolongamento inteligível da clara percepção sensível.
Nessa espantada visão colhe-se, gloriosa e inquietante, a heróica vocação do homem, frágil sopro à morte destinado, mas nobre e grande na palavra desenhada. A epopeia grega marca um ritmo primeiro do humano habitar a terra, canto de que nunca nos afastámos inteiramente.
O gesto épico, porém, torna-se sobressaltado espectador de si próprio, e a total coincidência do herói com o acto realizado acrescenta-se em distância crítica, ‘re-flexão’. A epopeia floresce em tragédia. Constrangido pela Necessidade, enredado em conflitos, culpado e inocente, assim se interroga o homem sobre si, sobre ‘quem’ é, voz da Esfinge que não deixa de nos ferir. E essa demanda não pode esquecer Dioniso, a luz sombria do ‘delírio’.
E se estes são fios com que vamos tecendo o nosso histórico caminho, oportuno é questionarmo-nos sobre o modo como os gregos viviam o tempo e percebiam a história. José Pedro Serra

José Pedro Serra é Doutor em Cultura Clássica pela Universidade de Lisboa e docente do Departamento de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras de Lisboa, onde tem leccionado disciplinas na área do Grego, da Literatura Grega, do Teatro Antigo e da Cultura Clássica. Integra o Centro de Estudos Clássicos, onde coordena a linha de investigação sobre literatura e cultura gregas. Autor de várias conferências e artigos no âmbito da Filosofia, da Literatura e da Cultura Clássica, publicou Pensar o trágico, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (Prémio PEN Clube e Prémio Jacinto do Prado Coelho).

4 de Fevereiro
Homero ou o canto da vida heróica

11 de Fevereiro
No espelho da tragédia

18 de Fevereiro
Dioniso: Sol negro entre os olímpicos

25 de Fevereiro
Ao tear do tempo: Atenas e Jerusalém

More than a literary form, “Dawn with her rose-red fingers” embodies an intense experience of light. Emergence from the night is a fundamental moment: the desire for the light of dawn. Man’s heroic vocation, fragile yet noble and great, exists within this vision. The Greek age set a rhythm; one from which we are never free. The acme of Greek literature was tragedy: constrained by need, enmeshed in conflict, Man questions himself.
José Pedro Serra is a doctor of classical culture, teaching Greek, Greek literature, ancient theatre and classical culture at Lisbon University, and coordinating research into Greek literature and culture.

© 2010 Culturgest