facebook
Loading
arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
Bill Orcutt
Ciclo de concertos comissariado por filho único
destaque
Pormenor da capa do single High Waisted, de Bill Orcutt (2009)
MÚSICA
SEX 9 DE JULHO
Culturgest Porto
22h00 · Dur. aprox.: 1h00 · M12
5 Euros (preço único)
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Bilhetes também à venda na Culturgest Porto – Galeria, na Avenida dos Aliados 104, no horário de funcionamento da galeria até 10 de Abril e no dia do espectáculo, a partir das 19h00, até à hora de início do mesmo.
Guitarra Bill Orcutt

Provavelmente o mais influente dos guitarristas que contribuíram para o avanço no vocabulário do blues e do rock, a partir do início da década de 1990, Bill Orcutt, depois de um hiato de uma dúzia de anos, lançou no final de 2009 um documento chave para a progressão das possibilidades do instrumento, o LP a solo A New Way To Pay Old Debts, editado pela Palilalia Records.
Mestre da guitarra eléctrica, Orcutt fundou em Miami juntamente com Adris Hoyos (bateria e voz) os Harry Pussy (1992-1997) a que mais tarde se juntaram, como segundo guitarrista, Mark Feehan, substituído no final de 1996 por Dan Hosker. Banda explosiva, entre o noise rock e o free jazz, a que juntava o punk hardcore e um conhecimento rico da história das raízes, mas também das margens, destas músicas. As suas canções eram curtas, agressivas, não raras vezes violentas.
A New Way To Pay Old Debts marca a estreia do guitarrista no universo acústico. Utiliza uma guitarra que tem desde criança, que se foi partindo e restaurando ao longo do tempo, ligada a um amplificador encontrado na rua nos anos 1980 e a um microfone de guitarra, inspirando-se no som de Elmore James, celebrado músico de blues eléctrico norte-americano.
Orcutt usa apenas quatro das seis cordas tradicionalmente utilizadas na guitarra, trabalhando o volume e intensidade do som e jogando com a hipersensibilidade do instrumento, tocado com fogo e ímpeto, por vezes parecendo que a sua madeira vai estalar ao ponto de estar prestes a partir-se por completo.
Para além das referências que já trazia dos Harry Pussy, o Bill Orcutt de hoje conjuga várias heranças musicais, dos delta blues de Mississipi Fred McDowell, passando por fontes aparentemente tão díspares como Derek Bailey, Glenn Gould, Cecil Taylor ou o flamenco de Ramon Montoya. Este cruzamento de tradições, ideias, vocabulários, permite-lhe construir um discurso que inclui uma série de elementos antes encarados como contraditórios segundo as normas da improvisação ou da composição instantânea.
Abraçando o atonalismo, Orcutt não deixa de ser melodicamente um músico afirmativo. Do ponto de vista rítmico trabalha de forma hipnótica, quase turbinada, sem por isso perder a capacidade de lidar com o espaço e o silêncio. A sua escrita, se assim lhe podemos chamar, é um ritual estruturado de forma tão invulgar quanto fluida, numa súmula de aglutinações técnicas e vocabulares, de onde nasce um novo e impressionante léxico musical.

A hugely influential guitarist, Bill Orcutt has released the solo album A New Way to Pay Old Debts after a twelve year break. Orcutt’s new album is his first acoustic outing. He uses just four strings on his guitar and an old amp found in the street, playing his guitar almost to its death. New forms and echoes of Mississippi Delta music, Derek Bailey or Cecil Taylor are to be found, in merging melody, and atonally charged hypnotic rhythms.
© 2010 Culturgest