facebook
Loading
CONFERÊNCIAS · 10, 17, 24 de Fevereiro e 2 de Março de 2010
18h30 · Pequeno Auditório

Suspension of Disbelief
4 conversas sobre imagens, crença e espaço do corpo na arte
Por Delfim Sardo


Ana Jotta, Who cares?, s.d. · Nº inventário 602181, Colecção da Caixa Geral de Depósitos
Documentação (pdf)
10 de Fevereiro
17 de Fevereiro
24 de Fevereiro
2 de Março

 

Este ciclo de quatro sessões parte de uma citação de Coleridge de 1798, na qual afirmava que era uma “voluntária suspensão da incredulidade (willing suspension of disbelief) que momentaneamente cria a crença poética”.
Esta afirmação merece ser confrontada com a forma como a arte moderna veio a desestabilizar a relação de crença nos processos de produção de imagens, esticando esta relação de suspensão até à sua queda, até ao momento no qual as imagens não possuem qualquer processo que nos oriente nas suas teias.
O centro deste ciclo será, assim, o da avaliação sobre os processos de relação com as imagens, a dimensão corporal e os espaços que resgatam este processo nas suas várias vertentes.
O projecto de cada uma das sessões é o de partir de situações concretas na arte do século XX e verificar as consequências do processo de avaliação permanente das condições de possibilidade da arte que é inerente ao modernismo, como se a tentativa de testar os transcendentais da arte fosse uma missão inescapável. Neste sentido, não há arte de hoje que se possa exercer sem passar pela sua condição de possibilidade e, portanto, pela sua modernidade.
Morto o modernismo, a questão do moderno não fica demitida. Podemos mesmo acreditar que o modernismo, na sua permanente fibrilação, é regularmente tratado a golpes de desfibrilador transcendental pelo discurso crítico que o viabiliza como corolário da necessária consciência do tempo moderno.
Este desfibrilador funciona movido a crença. É dela que vamos tratar.
Delfim Sardo

Delfim Sardo nasceu em 1962. É docente da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Tem repartido a sua actividade pela crítica e ensaística sobre arte, a curadoria e o ensino. É o curador da Trienal de Arquitectura de Lisboa 2010.
Entre as suas publicações destacam-se Luxury Bound, A Fotografia de Jorge Molder (Lisboa 1999), Helena Almeida, Pés no Chão, Cabeça no Céu (Lisboa 2004), Pintura Redux (Porto, 2006), A Visão em Apneia (Lisboa 2009).

QUA 10 de Fevereiro
A crença na pintura

QUA 17 de Fevereiro
A crença no corpo

QUA 24 de Fevereiro
A crença no espaço

TER 2 de Março (Grande Auditório)
A crença nas imagens que se mexem num ecrã

These four sessions are based on a 1798 quotation from Coleridge that it is a “willing suspension of disbelief for the moment, which constitutes poetic faith”. Delfim Sardo examines whether that statement is borne out in the way in which Modern art destabilizes our faith in the process of producing images.
Each session’s starting point will be a real situation in 20th-century art. Although Modernism is dead, it has not been forgotten: critics regularly subject it to shocks by transcendental defibrillator, and that is what she will be examining.
Delfim Sardo is a lecturer at the Faculty of Arts of Coimbra University, and is also an art critic and essayist, and curator of the 2010 Lisbon Architecture Triennial.

© 2010 Culturgest