facebook
Loading
arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
Comunidade de Leitores
O Medo e a Audácia
por Helena Vasconcelos
destaque
Francisco de Goya y Luciendes, El sueño de la razón produce monstruos. 1810-1814 · Gravura (pormenor)
LEITURAS
QUINTAS-FEIRAS
20 DE JANEIRO
3 E 17 DE FEVEREIRO
17 E 31 DE MARÇO
14 DE ABRIL
Sala 1
18h30 · Entrada gratuita
Inscrições até 13 de Janeiro (limite 40 pessoas) na bilheteira da Culturgest, pelo telefone
21 790 51 55, pelo fax 21 790 51 54 ou pelo e-mail culturgest.bilheteira@cgd.pt.
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.

O medo é uma constante da vida, tanto nos seres humanos como nos animais. (Há quem defenda que até as plantas experimentam medo). Nos animais, o medo funciona como um sinal de alarme perante perigos reais, levando-os a pôr em marcha os seus mecanismos de defesa. E quanto aos seres humanos? Numa sociedade urbana, laica e racionalista, as trevas foram afastadas e o inferno é experimentado em vida e não como promessa de castigo divino depois da morte. Até mesmo as velhas superstições – quem, hoje em dia, não sai de casa numa sexta-feira, 13 – têm sido relegadas para o quase esquecimento. No entanto, o que poderá acontecer quando desaparecem as regras civilizacionais que damos como certas e nos vemos confrontados com a Natureza em toda a sua selvajaria – como acontece com os rapazes de O Deus das Moscas – ou nos encontramos num cenário de guerra como o assustado soldado de A Insígnia Vermelha da Coragem de Stephen Crane? Em contrapartida, numa sociedade dita “pacífica” mas fortemente preocupada com a segurança, monitorizada por redes de vigilância, despudoradamente esquadrinhada graças às tecnologias da comunicação, porque continuamos a sentirmo-nos ameaçados? E quais os receios que mais nos atormentam? Certamente o das doenças e do envelhecimento, como acontece com o personagem principal de A Vida em Surdina de David Lodge; mas, também, com o possível descontrolo no âmbito das experiências científicas, uma questão perturbadora que se encontra no âmago de Nunca me Deixes de Kazuo Ishiguro, onde também se fala de afectos e do pavor de perder entes queridos; esta questão remete-nos para este nosso tempo, no qual convivemos intensamente com o terror público, aleatório, cruel. O ataque de 11 de Setembro, 2001, teve consequências que ainda estão por apurar – e o nova-iorquino Jay McInerney não se coíbe de as aprofundar em A Boa Vida. Finalmente, como lidar com o medo do inexplicável como acontece na arrepiante novela de Henry James, A Volta do Parafuso, um digno representante da Literatura dita de terror?

 

 

Programa

 

20 de Janeiro

A Insígnia Vermelha da Coragem

Stephen Crane, Ed. Vega

 

3 de Fevereiro

O Deus das Moscas

William Golding Ed. Dom Quixote

 

17 de Fevereiro

A Vida em Surdina

David Lodge, Ed. Asa

 

17 de Março

A Boa Vida

Jay McInerney, Ed. Teorema

 

31 de Março

Nunca me Deixes

Kazuo Ishiguro, Ed. Gradiva

 

14 de Abril

A Volta do Parafuso

Henry James, Ed. Relógio D’Água

In most animals fear is a defence mechanism. And in humans? In our rational society hell is experienced in life and not after death, and even old superstitions are almost forgotten. But what happens when savagery returns, such as in Lord of the Flies, or The Red Badge of Courage?
And yet in a “peaceful” society concerned with security and monitored by CCTV, why do we feel threatened? What fears torment us? Old-age ailments, yes, as portrayed by David Lodge; but also out-of-control science, as examined by Kazuo Ishiguro. The repercussions of the 9/11 attacks are still not fully understood, as Jay McInerney shows in The Good Life. And how do we deal with fear of the unknown, as in Henry James’s The Turn of the Screw?
© 2011 Culturgest