Loading
arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
Por razões alheias à Culturgest, o ciclo ‘Vinte e sete sentidos’ sofreu uma alteração no programa do dia 11 de outubro.
INSTALAÇÃO / PERFORMANCE
Peça (In)Concreta
Ciclo Vinte e sete sentidos · Organização: Granular
destaque
QUI 11 DE OUTUBRO
Sala 2
18h30 · Duração aprox.: 1h
3,5€ (preço único)
M12
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
A GRANULAR é uma estrutura financiada pela Direção Geral das Artes / Presidência do Conselho de Ministros – Secretaria de Estado da Cultura
apoio
Conceção e performance Manuela São Simão e Carlos Santos
Dois retroprojetores de acetatos, objetos vários, microfones de contacto Manuela São Simão Computador, microfones, eletrónica Carlos Santos

Manuela São Simão e Carlos Santos apresentam nesta edição do Ciclo Vinte e sete sentidos Peça (In)Concreta. Uma improvisação visual analógica é criada a partir de dois retroprojetores de acetatos e vários objetos concretos. Numa certa penumbra é projetada uma atmosfera imagética e abstrata de movimentos que produzem sons. A origem destes é revelada no espaço e tempo da performance, misturando-se com field recordings processados eletronicamente cuja origem acusmática e carácter digital surge como um desestabilizador do momento concreto: o aqui e agora da performance analógica.

 

Manuela São Simão nasceu em São Paulo em 1980. É formada em artes plásticas pela Faculdade de Belas Artes do Porto. É uma artista multidisciplinar que além das artes plásticas tem vindo a apresentar projetos em áreas como a Ilustração, a performance, projetos de arte intermedia, arte pública, sound art e curadoria. Em 2007 começa a desenvolver projetos em colaboração com performers e músicos. De entre alguns desses projetos destacam-se: Gibberish no Festival Silêncio em Lisboa no Goethe Institut, Transhumance.Porto no Future Places Festival, MajHora FM no Serralves em Festa no Porto e Gibberish.Porto no TRAMA Festival de Artes Performativas. Dedica-se também à ilustração infantil e tem sido responsável por alguns projetos relacionados com a arte rádio.

manuelasaosimao-projects.blogspot.co.uk

 

Carlos Santos estudou pintura com o artista plástico António Sena, mas acabou por transferir a sua criatividade para a arte sonora, especializando-se na eletrónica live e na manipulação de field recordings e found sounds. Com Paulo Raposo ou Ernesto Rodrigues, utiliza o computador e software desenvolvido em Max/MSP em situações de improvisação eletroacústica, difusão acusmática ou instalação. Tocou igualmente com figuras como Carlos “Zíngaro”, Birgit Ulher, Rhodri Davies, Stéphane Rives, Emidio Buchinho, Ricardo Guerreiro, Bertrand Gauguet, Wade Matthews ou João Silva, com quem mantém uma regular colaboração em projetos site-specific.

www.soniclandscape.org

 

 

Sobre o ciclo “Vinte e sete sentidos”
O século XX começou com o visionarismo de um punhado de artistas que ambicionava ter uma intervenção sinestésica, envolvendo os olhos, os ouvidos, o olfato, o paladar, o tato. No seu poema An Anna Blume, Kurt Schwitters referiu-se mesmo em 1919 aos “vinte e sete sentidos da sensorialidade”. Finalmente derrubadas as fronteiras entre as artes, neste início do século XXI vai-se pretendendo lidar com a totalidade da perceção humana. A série “Vinte e sete sentidos” apresenta alguns dos caminhos que estão a ser percorridos rumo a esse velho ideal…

 

For reasons beyond the control of Culturgest, there has been an alteration to the programme of the ‘Twenty-seven senses’ cycle for 11 October.

 

Manuela São Simão and Carlos Santos will present their work Peça (In)Concreta at this edition of the Twenty-seven senses cycle. An analogue visual improvisation is created using two overhead acetate projectors and various concrete objects. An image-based and abstract atmosphere of movements that produce sounds is projected in a certain half-shadow. The origin of these movements is revealed in the space and time of the performance, mixing with electronically processed field recordings, whose acousmatic origin and digital nature become a factor that destabilises the actual movement: the here and now of analogue performance.

 

The 20th century began with a group of visionary artists who dreamt of making a synaesthetic intervention that would involve the eyes, ears, smell, taste and touch. In 1919, Kurt Schwitters spoke of the “twenty-seven senses”. Now that the borders between the arts have come crashing down at the beginning of the 21st century, the aim is to deal with the whole of human perception. The series Twenty-seven senses presents some of the paths that can lead us to this old ideal…

Carbonozero
© 2012 Culturgest