Loading
arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
MESA REDONDA
Imagem / Imagens
Georges Didi-Huberman, Victor I. Stoichita
destaque
© José Luís Neto, da série July 1984 (2010) (pormenor)
QUI 15 DE MARÇO
Grande Auditório
17h30 · Entrada gratuita
Levantamento de senha de acesso 1 hora antes do início da sessão, no limite dos lugares disponíveis. Máximo: 2 senhas por pessoa.

M12
Tradução simultânea francês/português/francês e inglês/português/inglês
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Apoios
apoio
Moderação Joana Cunha Leal (IHA / FCSH / UNL)
Comissariado João Francisco Figueira, Marta Mestre, Vítor Silva
Apoios Direção-Geral das Artes / SEC, Instituto de História da Arte / FCSH / UNL
Agradecimentos José Luís Neto, www.proymago.pt / KKYM

Houve uma profunda revolução no modo como nos situamos perante a imagem. Recentemente a imagem ainda desembocava na biografia do autor ou em ideias como escola e tendência, subsistindo num espaço dividido entre belas artes, artes aplicadas e populares. A expansão da imagem impressa, a fotografia e a imagem em movimento, o desenvolvimento da arte moderna e contemporânea, o acesso generalizado ao museu e o encontro com culturas não-Ocidentais, revolucionaram de forma significativa a nossa perceção.

Didi-Huberman é um filósofo que, através de estudos apoiados em referências teóricas tais como Benjamin, Warburg e Freud, tem vindo a pensar as imagens face a um tempo histórico anacrónico, dialético, prenhe de sobrevivências e de fantasmas. Stoichita é um historiador que, trabalhando sobre a própria natureza do fenómeno artístico – o “quadro”, a “sombra” e “Pigmalião” (o “simulacro”) – tem vindo a demonstrar todo o interesse de um método plural de análise da experiência visual e artística. Ambos os autores consideram um vasto leque de instrumentos teóricos e críticos para identificar as dinâmicas de permanência e de transformação que definem o mundo “contraditório” das imagens. O modo de funcionamento da imagem e da imaginação, bem como a questão da memória, encontram-se no centro das respetivas investigações.

Por ocasião da publicação de traduções de Didi-Huberman, Imagens apesar de tudo, e de Stoichita, O Efeito Pigmalião. Para uma antropologia histórica dos simulacros, os autores encontram-se para exporem e debaterem a imagem e as imagens do seu pensamento.

 

Georges Didi-Huberman
Blancs soucis de notre histoire | Brancos tormentos da nossa história
Na sequência dos problemas tratados em Imagens apesar de tudo, recolocarei a questão da relação entre imagem e testemunho histórico através da análise de uma obra de Esther Shalev-Gerz, baseada na relação entre a palavra das testemunhas da Shoah e os seus silêncios.

 

Victor I. Stoichita
Pygmalion at cinema | Pigmalião no cinema
A célebre produção de Hollywood, Vertigo (1958), de Alfred Hitchcock, desenvolve o tema do duplo e, ao mesmo tempo, constitui um filme sobre a produção de simulacros. Na minha exposição procederei ao escrutínio do “Efeito Pigmalião” que trabalha no seio da obra-prima de Hitchcock.

 

Georges Didi-Huberman (n. 1953), filósofo e historiador de arte, leciona Antropologia do Visual na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris. Tem procedido a uma aprofundada crítica dos fundamentos vasarianos, panofskianos e neo-kantianos com que a história de arte se habituara a operar, propondo, alicerçado numa vasta constelação de referências literárias e teóricas, o “sintoma”, ou seja do símbolo aberto e “sobredeterminado” que Freud teorizou, como paradigma para a investigação nas artes. Autor de mais de trinta obras de que se destacam Invention de l'hystérie (1982), Devant l'image (1990), Fra Angelico (1990), O que nós vemos, O que nos olha (1992; trad. pt. 2010), L'Image survivante (2002), Imagens apesar de tudo (2004; trad. pt. 2012) e ainda obras sobre Bataille, Botticelli, Brecht, Giacometti, entre outros.

 

Victor I. Stoichita (n. 1949), historiador de arte, leciona História da Arte Moderna e Contemporânea na Universidade de Friburgo, na Suíça. Tem contribuído para ampliar os problemas e os objetos de estudo em História de Arte, convocando, além desta disciplina, a Estética, a Antropologia, a Filosofia que, deste modo, concorrem para relevar dinâmicas de permanência e de transformação que definem o mundo das imagens. Tem-se debruçado sobre temas tais como o “quadro”, a “sombra” e o “simulacro” (Pigmalião), objeto de insistente tratamento artístico e elaboração teórica, com extensas ramificações filosóficas e culturais, configurando-se como temas particularmente “contraditórios” e sintomáticos da condição da imagem. Disto mesmo são testemunho obras tão marcantes como L’Instauration du tableau (2ª ed., 1999) e Bréve histoire de l'ombre (2000) e O Efeito Pigmalião (2008; trad. pt. 2011).

There has been a revolution in the way we relate to images, yet it is not that long ago that they had identifiable boundaries. Meanwhile we have seen the rise of printed images, photos and movies, the development of modern and contemporary art alongside greater access to museums and non-Western cultures all of which have changed our attitude to images, nowadays relating to a broad and heterogeneous range of signs, practices and beliefs.

The work of Didi-Huberman and of Stoichita powerfully demonstrates the pertinence of a pluralistic approach to research on visual and artistic experience. Indeed both consider a broad array of theoretic and critic instruments in order to identify the processes of permanence and continuity proper to the "contradictory" world of images. The functioning of image and imagination, as well as the topic of memory, are at the core of their research projects.

 

George Didi-Huberman

Blancs soucis de notre histoire
Dans la suite des problèmes traités par “Images malgré tout”, je reposerai la question du rapport entre image et témoignage historique à travers l'analyse d'une oeuvre d'Esther Shalev-Gerz basée sur la relation entre la parole des témoins de la Shoah et leurs silences.

 

Victor I. Stoichita

Pygmalion at cinema
A major Hollywood production, Hitchcock’s Vertigo (1958) is a narration on the theme of the double and at the same time a film about the production of simulacra. The talk will offer a close reading of the “Pygmalion Effect” at work in Hitchcock’s masterpiece.

Carbonozero
© 2012 Culturgest