Loading
arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
MÚSICA CICLO HOOTENANNY
Axel Zwingenberger
e Eeco Rijken Rapp
destaque
Axel Zwingenberger © www.dobias.at
Eeco Rijken Rapp
QUA 30 DE JANEIRO
Grande Auditório
21h30 · Duração: 1h30
5€ (preço único)
M3
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Piano Axel Zwingenberger Piano Eeco Rijken Rapp

Nascido nas barrelhouses que acompanharam a construção da rede ferroviária norte-americana, o boogie woogie é um dos estilos da música de raiz africana nos EUA com um mais curioso percurso. Popularíssima no final do século XIX, início do XX, exatamente na esteira da diáspora laboral da população negra, a sua popularidade decresceria na década de 20 para, contudo, com os seus vigorosos acordes e estimulantes ritmos, vir a ganhar preferências das orquestras de swing que fariam do tema fundador, o Pinetop Boogie Woogie – do nome do famoso pianista Pinetop Perkins – um êxito gigantesco.
Em 1938, o produtor John Hammond organizou no Carnegie Hall os famosos espetáculos From Spirituals to Swing e entre as muitas revelações para o público branco surgiu um dueto de pianistas afro-americanos, Albert Ammons e Pete Johnson, que devastaram a audiência com o vigor e o virtuosismo do seu estilo – o boogie woogie que, duas décadas depois, invadiria de novo os salões de baile, mas desta vez para dar um contributo determinante a um novo som: o rock & roll.

Por aquelas originalidades em que a música é fértil, há hoje um consenso generalizado que os grandes especialistas do lendário dueto de Ammons e Johnson são dois... europeus... Que nem sequer nasceram no mesmo país (Axel Zwingenberger é alemão e Ecco Rijken Rapp é holandês!) e se conheceram por causa da música que a ambos apaixona. Daí ao trabalho conjunto na esteira do lendário dueto foi, naturalmente, um passo e ambos dividem hoje as suas carreiras perante espetáculos a solo e disputadíssimas apresentações, de regresso ao Carnegie Hall ou aos speakeasies dos anos 40!

Boogie woogie lost its appeal in the 1920s, only for its vigorous chords and stimulating rhythms to later captivate the fans of swing. Among the many revelations, in 1938 was the Afro-American piano duo of Albert Ammons and Pete Johnson, whose vigorous boogie woogie later made a decisive contribution to the sound of rock and roll. The German Axel Zwingenberger and Dutch Ecco Rijken Rapp are generally acknowledged by experts as the heirs of that legendary duo.
Carbonozero
© 2013 Culturgest