arquivo > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
TEATRO
The Coming Storm
A Tempestade que Aí Vem de Forced Entertainment
destaque
© Hugo Glendinning (pormenor)
QUA 19, QUI 20, SEX 21
DE MARÇO
Palco do Grande Auditório
21h30 · Duração: 1h45
14€ · Até aos 30 anos: 5€
M16
Em inglês, com legendas

www.artistanacidade.com

Folha de sala (pdf)
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
apoio
Concebido e criado pela companhia Performers Robin Arthur, Phil Hayes, Richard Lowdon, Claire Marshall, Cathy Naden e Terry O'Connor
Encenação Tim Etchells Cenografia Richard Lowdon Desenho de luz Nigel Edwards Música e som Phil Hayes Produção Jim Harrison e Ray Rennie Coprodução PACT Zollverein, Festival d'Avignon, Theaterhaus Gessneralle, Tanzquartier, Les Spectacles Vivants – Centre Pompidou, Festival d'Automne à Paris, LIFT, Battersea Arts Centre, Sheffield City Council
Estreia 23 de maio de 2012, PACT Zollverein (Essen)

No quadro do Artista na Cidade 2014, a Culturgest apresenta dois espetáculos do essencial coletivo liderado por Tim Etchells. Em ambos é de contar histórias que se trata, mas se um tem menos de duas horas, o outro é uma performance duracional; um é uma estreia em Portugal e o outro um regresso, 12 anos depois.
Em The Coming Storm os Forced Entertainment enredam e alternam múltiplas histórias para construir um espetáculo entusiasmante e instável. Há amor e morte, sexo e lavagem de roupa, naufrágios e neve; anedotas pessoais cruzam-se com filmes imaginários, romances lembrados pela metade chocam com contos de fadas distorcidos.
Usando um método tão inventivo quanto absurdo, os seis performers criam, colaboram, sabotam e perturbam esta saga épica que é decididamente demasiado grande para caber num palco. O resultado é cómico, contraditório e comovente; cheio de truques equivocados, danças entrecortadas, interrupções de bateria de gosto duvidoso e acompanhamento de piano negligente. Tudo se acumula e tudo cintila. Tudo balança e tudo estremece. Tudo se transforma e tudo é canibalizado. The Coming Storm é Forced Entertainment no seu melhor.

 

 

Estamos habituados a encontrar a história do próprio espetáculo no trabalho dos Forced Entertainment; a narrativa do acontecimento teatral à medida que ele colapsa. De forma brilhante, aqui até essa história se prega uma rasteira.
Matt Trueman, Culture Wars, julho de 2012

In this work international innovators Forced Entertainment tangle and cross-cut multiple stories to make a compelling and unstable performance. From love and death to sex and laundry, from shipwrecks to falling snow, personal anecdotes rub shoulders with imaginary movies, and half-remembered novels bump into distorted fairytales. Six performers create, collaborate, ambush and disrupt this epic saga that is resolutely too big for the stage. The result is comical, contradictory and poignant; full of wrong-headed tricks, broken dances, sleazy drum interruptions and perfunctory piano accompaniment. Everything builds and everything shimmers. Everything teeters and everything trembles. Everything is reshaped and everything is cannibalised. The Coming Storm is Forced Entertainment at its best.
© 2014 Culturgest