arquivo > 2016 > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
JAZZ
João Mortágua Quarteto
Janela
Ciclo "Jazz +351" · Comissário: Pedro Costa
destaque
© Amaral Moreira (pormenor)VER IMAGEM
SÁB 18 DE ABRIL
Pequeno Auditório
21h30 · Duração: 1h
5€ (preço único)
M6
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Saxofones, voz, melódica João Mortágua Guitarras Miguel Moreira Contrabaixo, baixo elétrico José Carlos Barbosa Bateria José Marrucho

Um de vários saxofonistas surgidos em cena nos últimos anos, João Mortágua depressa se destacou entre os mais completos e desafiantes. Além de ter uma voz própria, apresenta uma visão do jazz muito pessoal, como ficou revelado com o seu disco de estreia, Janela. Uma visão bem explicitada em composições que são elegantes sem serem pretensiosas e que proporcionam tanto a improvisação solística como uma dinâmica de grupo particularmente feliz. Patente fica que a música de Mortágua deve não só à sua criatividade e às suas capacidades técnicas como aos músicos que com ele estão associados, designadamente o guitarrista Miguel Moreira, o contrabaixista José Carlos Barbosa e o baterista José Marrucho. Todos eles são parte fundamental da fórmula proposta.

As situações rítmicas, melódicas e harmónicas que se vão sucedendo são frescas, irreverentes e, por vezes, até inesperadas. Resultam de uma mistura de referências e influências que não é comum estarem associadas, uma delas sendo a do grupo de rock progressivo Gentle Giant. O saxofone alto de Mortágua tem, inclusive, uma elasticidade de vocabulário surpreendente, sem nunca perder a identidade. Se umas vezes parece estarmos a ouvir Lee Konitz, noutras é John Zorn que nos vem à ideia. O que mais nos desarma é que, em se tratando de um grupo de jovens, a música é tão sólida e afirmativa que seria de esperar que fosse feita por artistas com outra maturidade.

With his own very personal view of jazz, João Mortágua has rapidly established himself as one of the most complete and challenging modern-day saxophonists. Based on elegant and unpretentious compositions offering the chance for both solo improvisation and pleasing group dynamics, his music also owes a lot to those who play with him: Miguel Moreira (guitar), José Carlos Barbosa (bass) and José Marrucho (drums). These young musicians play with the maturity of jazz veterans, displaying a mixture of references and influences not normally associated with one another, as, for example, Gentle Giant.
© 2015 Culturgest