CINEMA
Alexander Kluge, cineasta da Alemanha, cronista da História
Comissariado por Augusto M. Seabra
destaque
© www.markus-kirchgessner.de (pormenor)VER IMAGEM
DE QUA 9 A QUA 16
DE DEZEMBRO
Pequeno Auditório · 21h30
3,50€ (preço único)
M12
Todos os filmes serão exibidos a partir de cópias em DVD.

Filmes legendados em inglês, exceto os assinalados (*), que têm legendas em português

Flyer (pdf)
Informações e reservas
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Bilhetes à venda
Culturgest
Agências Abreu
Galeria Comercial Campo Pequeno
Casino Lisboa
C.C. Dolce Vita
El Corte Inglés
Fnac
Megarede
Worten
www.ticketline.sapo.pt
Reservas Ticketline 1820 (24 horas)
apoio
Coprodução Goethe-Institut

Alexander Kluge (nascido em 1932) é um dos mais importantes cineastas contemporâneos, e não só: indissociavelmente, na sua prolífera e proteiforme atividade, Kluge é um reconhecido ficcionista – de resto galardoado com os mais importantes prémios literários alemães –, um ensaísta e teórico fundamental, uma figura ímpar de intelectual público, sobretudo na constante reflexão sobre a História e o presente e, antes do mais, da própria História da Alemanha.

Com formação em direito, Kluge travou conhecimento com Theodor Adorno, que o apresentou a Fritz Lang, na altura do regresso deste à Alemanha, para realizar O Túmulo Índio. O contacto com Adorno, a influência de Walter Benjamin e depois o diálogo ensaístico com Jürgen Habermas em torno do conceito de "esfera pública", inscrevem Kluge na Teoria Crítica da Escola de Frankfurt, podendo em paralelo dizer-se que o seu é um "cinema crítico", de pendor crescentemente ensaístico, com uma particular teoria e prática da montagem, do fragmento, da colagem e do intervalo, que viria a ser paradigmaticamente afirmada em A Força dos Sentimentos, filme que combina 26 narrativas ou capítulos.

O título desse filme é uma alusão a A Força do Destino de Verdi, o género da ópera surgindo como modelo de uma estruturação compósita do cinema de Kluge, em que é fulcral uma noção de "sentimentos", entendida também como possibilidade de construção de uma subjetividade ativa do espectador, em diálogo crítico com o pendor ensaístico da narrativa.

Nos últimos anos Kluge vem-se dedicando a uma prática singular de trabalho audiovisual, em que se destaca o monumental Notícias da Antiguidade Ideológica: Marx, Eisenstein, 'O Capital', que nos é particularmente grato apresentar.

Augusto M. Seabra

 

 

Quarta 9, 21h30
Brutalität in Stein (Brutalidade em Pedra), corealização Peter Schamoni, Wolf Wirth, Dieter Lemmel, 1961, 12';

Porträt einer Bewährung (Retrato de um Polícia Posto à Prova), 1964, 13';

Abschied von gestern * (Despedida de Ontem), 1966, 1h28

 

Quinta 10, 21h30
Die Artisten in der Zirkuskuppel: Ratlos (Os Artistas sob a Cúpula de Circo: Perplexos), 1968, 1h44;

Die Unbezähmbare Leni Peickert (A Indomável Leni Peickert), 1970, 34'

 

Sexta 11, 21h30
Gelegenheitsarbeit einer Sklavin * (Os Trabalhos Ocasionais de uma Escrava Doméstica), 1973, 1h31

 

Sábado 12, 15h30
Der große Verhau
(O Grande Caos), 1971, 1h26

 

Sábado 12, 18h30
In Gefahr und größter Not bringt der Mittelweg den Tod (No Perigo e Maior Angústia, o Caminho do Meio é o da Morte), corealização Edgar Reitz, 1974, 1h30

 

Sábado 12, 21h30
Die Patriotin * (A Patriota), 1979, 2h01;

Ich war Hitlers Bodyguard (Fui Guarda-Costas de Hitler), 1999, 45'

 

Domingo 13, 15h30
16 Minutenfilme (Filme de 16 Minutos), 2007, 16';

Die Macht der Gefühle * (A Força dos Sentimentos), 1983, 1h55

 

Domingo 13, 18h30
Vermischte Nachrichten (Informações Diversas), 1986, 1h43

 

Domingo 13, 21h30
Der Angriff der Gegenwart auf die übrige Zeit
(O Ataque do Presente ao Tempo que Resta), 1985, 1h53

 

Segunda 14, 18h30

Richard Wagner und das Ruinengesetz der Musik * (Richard Wagner e a Lei das Ruínas em Música), 1990-2007, 50';

"80.000 Opern!" * ("80.000 Óperas!"), 1994-2006, 45';

Das Phänomen der Oper * (O Fenómeno da Ópera), 1998-2007, 21'

 

Segunda 14, 21h30
Nachrichten aus der ideologischen Antike: Marx, Eisenstein, 'Das Kapital' (Notícias da Antiguidade Ideológica: Marx, Eisenstein, 'O Capital') – I, 2008, 3h28

 

Terça 15, 21h30
Nachrichten aus der ideologischen Antike: Marx, Eisenstein, 'Das Kapital' (Notícias da Antiguidade Ideológica: Marx, Eisenstein, 'O Capital') – II, 2008, 2h20

 

Quarta 16, 21h30

Nachrichten aus der ideologischen Antike: Marx, Eisenstein, 'Das Kapital' (Notícias da Antiguidade Ideológica: Marx, Eisenstein, 'O Capital') – III, 2008, 3h22

 

Alexander Kluge (b. 1932) is one of the most important contemporary filmmakers, simultaneously a fictionist, essayist and theoretician, constantly reflecting on history and the present, above all German History. A law graduate, Kluge met Theodor Adorno and worked with Fritz Lang. Influenced by Walter Benjamin and the dialogue with Jürgen Habermas about the concept of the "public sphere", Kluge adhered to the Frankfurt School of Critical Theory. He produces what one might call "critical cinema", as paradigmatically confirmed by The Power of Emotion, a film that combines 26 separate stories.
© 2015 Culturgest