TEATRO
Guy de Cointet
 
destaque
At Sunrise a Cry was Heard (or) The Halved Painting, 1974 · Biltmore Hotel, Los Angeles, 1976 · Atriz: Mary Ann Duganne Glicksman
© Fotografia: Manuel Fuentes · Cortesia: Estate of Guy de Cointet e Air de Paris, Paris (pormenor)VER IMAGEM
SÁB 5 E 19, DOM 6 E 20
DE MARÇO
Pequeno Auditório e Galeria 1
5€ · Bilhete conjunto para as duas sessões de 5 de março: 7€ (preços únicos)
O bilhete de entrada para a exposição permite assistir às performances que se realizam na Galeria.

M12
Em inglês, sem legendas

Folha de sala (pdf)
Informações e reservas
Bilheteira Culturgest
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Ticketline
Reservas e informações:
1820 (24 horas)
Pontos de venda: Agências Abreu, Galeria Comercial Campo Pequeno, Casino Lisboa, C.C. Dolce Vita, El Corte Inglés, Fnac, Megarede, Worten e www.ticketline.sapo.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.

Foi em Los Angeles, onde se radicou em 1966, que Guy de Cointet (1934, Paris – 1983, Los Angeles) produziu uma obra notável, cuja relevância no campo das artes visuais é hoje consensualmente reconhecida. No contexto da exposição retrospetiva na Culturgest, são apresentadas várias das suas peças teatrais, para as quais escreveu os textos e produziu os objetos cénicos. Nelas se manifesta, em todo o seu esplendor, um fascínio pela linguagem e pelos seus usos em contextos tão diferentes como a literatura (Raymond Roussel é uma referência assumida), a televisão e a rádio, ou as conversas quotidianas – um fascínio que também cultivou na sua prolífica e belíssima produção de desenho. Guy de Cointet explorou recorrentemente procedimentos de codificação e abstração da linguagem a partir do cruzamento entre texto, forma e cor. Nas suas peças teatrais, o artista desenvolveu um estilo muito próprio, pleno de artifício e de humor, construindo narrativas em que o familiar, o absurdo e o enigmático se entrelaçam.

Este programa inicia-se com algumas das suas primeiras peças teatrais (monólogos para uma atriz) e irá prolongar-se até meados de maio.

 

Sábado 5 de março · 18h30 Pequeno Auditório

Two Drawings (1974)
Dois desenhos
Duração: 20 minutos · Em inglês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Mary-Ann Duganne Glicksman

Deambulando numa loja da zona ocidental de Los Angeles, uma mulher jovem é atraída por um desenho com uma forma curiosa. «Bastante simples e bonito», diz para si própria, e compra-o. Mas em casa, olhando-o com cuidado, tem que admitir que aquela modesta obra é estranha. Muito estranha, mesmo. Tão estranha como outro desenho…
A peça é um relato pormenorizado das reações desta jovem mulher perante estes dois desenhos.

 

My Father's Diary (1975)
O diário do meu pai
Duração: 15 minutos · Em inglês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Sarah Vermande

No leito de morte um homem oferece à filha um livro, um precioso livro, cheio de textos, sinais, diagramas, desenhos. «Este é o meu diário…» começa por dizer. Já demasiado fraco para continuar, fecha os olhos… para sempre. Nesse momento a guerra rebenta, arrastando no seu turbilhão a rapariga e o diário. Recordando para o público estes trágicos acontecimentos, apresenta o enorme livro e tenta explicá-lo página por página.

 

 

Sábado 5 de março · 20h Pequeno Auditório

Going to the Market (1975)
Ir ao Mercado
Duração: 15 minutos · Em inglês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Mary-Ann Duganne Glicksman

Uma pintura, com uma forma geométrica invulgar, uma moldura colorida e um fundo branco coberto de letras pretas dispostas ao acaso. Ao acaso? Decididamente, não… A atriz, em poucos minutos, irá deslindar toda a história contida nesta obra.

 

At Sunrise A Cry Was Heard or The Halved Painting (1974)
Ouviu-se um grito ao nascer do sol ou A pintura dividida ao meio
Duração: 20 minutos · Em inglês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Violeta Sanchez

Maio de 1978. É primavera em Moscovo. Num apartamento que dá para a magnífica capital russa, na parede da sala, está pendurada uma grande pintura vermelha. A pintura – por causa da sua abstração, antiguidade e incontestável beleza – é motivo constante de discussão e controvérsia. A peça tenta encontrar entre as muitas interpretações diferentes, a que conduza à ideia original.

 


Domingo 6 de março · 16h e 17h Galeria 1 (sala 2)

La très brillante artiste Huzo Lumnst, présente son nouveau travail: CIZEGHOH TUR NDJMB (1973)
A brilhantíssima artista Huzo Lumnst apresenta o seu novo trabalho: CIZEGHOH TUR NDJMB
Duração: 10 minutos
Sessão das 16h: em inglês, sem legendas
Sessão das 17h: em francês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Sarah Vermande

Inventar o trabalho de um personagem inventado. Um personagem de um romance, por exemplo. Inventar um artista. Inventar vários artistas com relações próximas entre eles. O trabalho inventado de um artista inventado. «A brilhantíssima artista Huzo Lumnst apresenta o seu novo trabalho…»

 

 

Sábado 19 de março · 21h30 Pequeno Auditório

Comme il est Blond! (ou De Toutes les Couleurs) (2013)
Como ele é loiro! (ou De todas as cores)
Adaptação de Yves Lefebvre a partir de De Toutes les Couleurs de Guy de Cointet (1982)
Duração: 40 minutos · Em francês, sem legendas

Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Pauline Haudepin, Paul de Launay e Sarah Vermande

O cenário, os adereços, provocam, do princípio ao fim, incidentes que por sua vez arrastam mudanças súbitas de situação. Qualquer dos elementos do cenário pode provocar reações em cascata que modificam a atitude dos personagens, perturbam a sua maneira de pensar e agir. Nesta adaptação, o texto original é encurtado, o número de atores reduzido, as réplicas redistribuídas.

 

 

Domingo 20 de março · 16h e 17h Galeria 1 (sala 4)

I Like Your Shirt (1980)
Gosto da tua camisa
Recriado em 2013 · Duração: 20 minutos · Em inglês, sem legendas
Encenação: Yves Lefebvre · Interpretação: Pauline Haudepin e Hadrien Peters

Um diálogo entre uma rapariga de Hong Kong e um francês. Uma língua desconhecida num livro de capa preta, palavras lançadas sob a forma de cubos, a misteriosa tipografia de um retrato fotográfico e toda a espécie de outras linguagens e signos reúnem-se numa multifacetada conversa que culmina num sonho poético e colorido.

 

 

Direção artística para a Guy de Cointet Society: Hugues de Cointet

Programa organizado com a colaboração da Guy de Cointet Society / Air de Paris, Paris, e do Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid.

It was in Los Angeles, where he had chosen to settle in 1966, that Guy de Cointet (1934, Paris – 1983, Los Angeles) produced a remarkable oeuvre that is now fully recognised as highly relevant in the field of visual arts. In the framework of his retrospective exhibition at Culturgest (see pages 68-69), several of his theatre plays are presented, for which he both wrote the texts and produced scenic objects. These plays reveal in all their splendour his fascination with language and its uses in such different contexts as literature (Raymond Roussel is a clearly acknowledged reference), television and radio, or everyday conversations – a fascination that is also manifest in his prolific and very beautiful production of drawings. Guy de Cointet has recurrently explored different procedures for the encoding and abstraction of language through an interplay between text, form and colour. In his theatre plays, the artist developed his own inimitable style, highly refined and full of humour, telling stories in which the familiar, the absurd and the enigmatic are constantly intertwined. The programme begins with some of his early plays (monologues for one actress) and will continue until mid-May.
© 2016 Culturgest