arquivo > 2016 > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
MÚSICA
Kassé Mady Diabaté
Kiriké
destaque
© Manuel Lagos Cid (pormenor)VER IMAGEM
QUA 13 DE ABRIL
Grande Auditório
21h30 · Duração: 1h20
18€ · Jovens até aos 30 anos
e desempregados: 5€
M6
Informações
Bilheteira Culturgest
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
Voz Kassé Mady Diabaté Corá Ballaké Sissoko Balafon Lansine Kouyate N'goni Badje Tounkara

Kassé Mady Diabaté pertence à família dos griots mais reputada do país mandinga. O Império Mandinga remonta ao século XIII e a música, e os griots que a praticavam ao mesmo tempo que transmitiam as memórias ancestrais, foram muito importantes para a coesão desse vasto reino da África Ocidental.

Kassé, com sete anos, por causa da qualidade da sua voz, foi considerado pelos mais velhos como o herdeiro, a reencarnação, do seu avô "Jeli Fama" ("O Grande Griot"). A sua carreira já tem 50 anos, esteve em todos os projetos musicais mais inovadores do Mali. Uma extensa discografia testemunha-o. Salif Keita proclamou-o "o maior cantor do Mali".

O concerto de hoje começou na amizade entre o violoncelista francês Vincent Segal e o tocador de corá Ballaké Sissoko. O duo gravou dois CDs afamados. Esteve na Fundação Gulbenkian em janeiro de 2011 e continua a apresentar-se em todo o mundo.

Admiradores, há muito, de Kassé Mady, os dois músicos sonhavam com um projeto em que o cantor fosse o personagem principal. Juntaram mais dois solistas tocadores de instrumentos tradicionais (n'goni e balafon), amigos de infância e herdeiros de grandes linhagens de músicos, e gravaram Kiriké, um álbum onde estes músicos excecionais dão largas à sua arte. O "homem com voz de veludo" reinventa-se. Como um velho camponês que resmunga no extremo do seu pedaço de terra.

O concerto é baseado nesse CD, muito apreciado pela crítica (a revista Songlines, especializada em música do mundo, escolheu-o como álbum do ano de 2014). Mas sem a presença do violoncelista francês.

Kassé Mady Diabaté belongs to the family of the griots, who played the music of West Africa's vast and ancient Mandinga Empire, transmitting ancestral memories and ensuring the kingdom's cohesion. Kassé's career spans more than 50 years, and the "man with the velvet voice" has been involved in all of Mali's innovative music projects. Today's concert is based on Kiriké, the critically acclaimed album he recorded with cellist Vincent Segal and kora player Ballaké Sissoko, together with two other players of traditional instruments (n'goni and balafon), only this time without the French cellist.
© 2016 Culturgest