arquivo > 2016 > 2015 > 2014 > 2013 > 2012 > 2011 > 2010 > 2009 > 2008 > 2007
EXPOSIÇÃO
Isidoro Valcárcel Medina
Grafismos de fronteira
DE 29 OUTUBRO A 8 JANEIRO 2017
Galeria 1
2€ Bilhete único para as exposições · Entrada gratuita aos domingos
 
Informações
21 790 51 55
culturgest.bilheteira@cgd.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
destaque
Desenho feito a partir dos modelos utilizados na obra Exterior/Interior, 2016
Curadoria Miguel Wandschneider
Em 2002, Isidoro Valcárcel Medina (Murcia, 1937) mostrou na Fundació Tapiès, em Barcelona, um arquivo composto por 18.000 fichas que levava ao paroxismo a ideia de retrospetiva como certidão de óbito do artista – era literalmente um monumento fúnebre ao seu trabalho. Em 2006, ele realizou, no contexto de uma exposição da Coleção do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona, uma obra impossível de ser colecionada: pintou de branco uma enorme parede branca, usando para esse fim um pincel muito fino, e fazendo-se pagar por esse trabalho como um comum pintor de paredes. Em 2009, durante três meses, o artista propôs ao visitante do Museo Reina Sofia, em Madrid, uma visita guiada áudio à exposição da respetiva coleção que se alheava dos critérios discursivos e de valor estabelecidos pela instituição. Estes são apenas alguns exemplos da atitude crítica de Isidoro Valcárcel Medina relativamente às convenções que regem a produção, a distribuição e a apresentação da arte. Uma atitude crítica que se manifesta numa apropriação desviante de convenções sociais e culturais, respeitando as suas regras formais, mas subvertendo o seu conteúdo e sentido. O que está em causa na atitude serenamente insubordinada de Isidoro Valcárcel Medina, em última instância, é a questão do indivíduo enquanto sujeito emancipado. Para esta exposição na Culturgest, ele concebeu um conjunto de obras que questionam a fronteira, mais concretamente a fronteira geográfica entre Portugal e Espanha, como construção política e cultural que nos constitui enquanto indivíduos.
At the core of the work of Isidoro Valcárcel Medina (Murcia, 1937) lies a critical stance towards the conventions that normally govern the production, distribution and presentation of art. This critical attitude is expressed in a deviant appropriation of social and cultural conventions that, while respecting their formal rules, at the same time subverts their content and meaning. Ultimately, what is at stake in Isidoro Valcárcel Medina's serenely insubordinate attitude is the question of the individual as an emancipated subject. For this exhibition at Culturgest, he has conceived a series of works that question the notion of the border, more precisely the geographical border between Portugal and Spain, as a political and cultural construct that shapes us as individuals.
© 2016 Culturgest