PERFORMANCE / MÚSICA
Jonathan Uliel Saldanha
O Poço
No âmbito do Festival DDD – Dias da Dança 2017
destaque
(pormenor)VER IMAGEM
SEX 12 MAIO, SÁB 13 MAIO
Teatro Rivoli – Palco do Grande Auditório Manoel de Oliveira
21h30 (sex), 18h30 (sáb) · Duração aprox.: 55 min.
7,50€
M12
Mais informações:
teatromunicipaldoporto.pt
Tripadvisor
Mais opiniões sobre Culturgest.
apoio apoio
Direção artística, música, dramaturgia, encenação e cenografia Jonathan Uliel Saldanha Dramaturgia e encenação Catarina Miranda Dramaturgia e arquitetura Godofredo Pereira Dramaturgia e computação Diogo Tudela Desenho de luz José Álvaro Assistente de iluminação Renato Marinho Tratamento e espacialização de som Eduardo Magalhães, Luís Ali Processamento de som Frederic Alstadt Produção executiva Mauro Rodrigues Produção administrativa Mafalda Soares Emissores de voz Ece Canli, Catarina Miranda, João Carrapa, Outra Voz Emissores de gesto Nuno Pinto, Igor Bisser, GMCS – Grupo, Matéria, Cristalização e Stasis, Poço Da Morte Produção SOOPA / OOPSA Coprodução Teatro Municipal do Porto Apoio GDA, DGArtes, CACE Cultural

Máquina vertical de exumação acústica. Uma caixa negra que opera um ensaio sobre gravidade, gesto e opacidade, onde os vestígios de presenças, linguagem e ações sustentam uma paisagem intangível. O ímpeto pré-linguístico da voz e a cristalização da ação alimentam um sistema feito da ruína de nexos, a vertigem surge como única mediadora deste mecanismo de ressonância em permanente movimento. Motores iridescentes, queda livre, cintilância e vapor numa câmara de eco.

Jonathan Uliel Saldanha é construtor sonoro e cénico, que aborda com o seu trabalho elementos de pré-linguagem, cristalização, animismo e eco. Cocriador das peças cénicas Nyarlathotep, Máquina da Selva, Rei Trilogia e Del, apresentadas no Teatro Municipal do Porto, no Accès(s) Festival e no Museu de Serralves. Compôs, desde 2010, uma série de peças para voz, eletrónica e espaço ressonante. É parte da dupla de produtores Fujako, dirige o projeto HHY & The Macumbas e foi o fundador do coletivo SOOPA. Deu concertos nos festivais Sónar, Primavera Sound, Amplifest, Out.Fest, Milhões de Festa, Neopop, Elevate e em espaços como Ancienne Belgique (Bruxelas), Berghain Kantine (Berlim), Stubnitz (Hamburgo), Filmer la Musique (Paris), e Issue Project Room (Nova Iorque). A sua música está editada na Ångström, Tzadik, Rotorelief, SiloRumor e Wordsound.

Vertical acoustic exhumation machine. A black box that performs a rehearsal on gravity, gesture and opacity, where the vestiges of presence, language and actions sustain an intangible landscape. The pre-linguistic impetus of the voice and the crystallisation of action feed a system made from the ruin of linkages; vertigo emerges as the sole mediator in this constantly moving resonance mechanism. Iridescent motors, freefall, sparkling and steam in an echo chamber.

Jonathan Uliel Saldanha is a sound and stage designer whose work examines elements of pre-language, crystallisation, animism and echo.

© 2017 Culturgest