FILHO DA MÃE

FILHO DA MÃE

Terra Dormente

FILHO DA MÃE

Terra Dormente

O regresso de Filho da Mãe é uma conquista. Primeiro, para ele próprio; depois, para todos nós, que o esperávamos há demasiado tempo. Atravessando desassossegado uma pandemia transformada em túnel sem saída aparente, a luz que foi cintilando no seu fim nem sempre correspondeu à realidade, acabando por se misturar com várias ficções, adicionando tormentos, dúvidas e incertezas. A certa altura, foi justamente esta falta de discernimento do que é ou não real que acabou por servir de inspiração, uma incerteza que se multiplicou na hipótese bem credível de vários discos editados, entre o anjo acústico e o demónio elétrico, entre rascunhos no Alentejo e mais rascunhos em Lisboa, feita de palavras com duplo sentido dedilhadas durante horas sem fim. Inevitavelmente, a espera tornou-se numa obrigação, como uma peregrinação necessária. No desfecho disto tudo, Rui confessou-nos que o adiamento foi a melhor opção de todas, para que saísse vivo desse tal túnel e criar, da dor e do tempo, a música que Filho da Mãe precisou de fazer.

© Ana Viotti.

16 MAR 2022
QUA 21:00

Comprar Bilhetes
Grande Auditório

14€ (descontos)
M/6

Apoio

Antena 3
Partilhar Facebook / Twitter