No âmbito do empréstimo para a exposição de Dentro e Fora – Coletiva de Artistas de Cabo Verde, na Galeria de exposições da UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, com curadoria de Ricardo Vicente, dá-se destaque à obra Desperate (2000), de Alex da Silva (Luanda, Angola, 1974 - 2019, Mindelo, Cabo Verde), pertencente à Coleção da Caixa Geral de Depósitos desde 2003.

Filho de pais cabo-verdianos, nasceu em Angola, a 16 de abril de 1974, Alexandre Carlos da Silva Barbosa Andrade. Ainda jovem regressou com os pais a Cabo Verde. Aos 19 anos foi para os Países Baixos estudar para a Willem de Kooning Academy, em Roterdão e, em 2000, realizou uma pós-graduação na Minerva Art Academy em Groningen. Até à data da sua morte a 30 de dezembro de 2019, dividiu a sua residência entre Roterdão e o Mindelo, em Cabo Verde. O seu percurso artístico desenvolveu-se sobretudo na área da pintura e desenho. Contudo, a sua obra mais emblemática trata-se do monumento intitulado Clave, inaugurado em 2013 em Roterdão, evocativo dos 150 anos da abolição da escravatura nos Países Baixos.

Os temas da sua pintura refletem sobre a condição social, política e histórica da humanidade. Partindo da sua condição de diáspora, o artista desenvolveu narrativas sobre a sua terra natal e sobre a sua africanidade. Porém, a sua identidade não se limitou à sua naturalidade. As pinturas revelam uma aprendizagem dita ocidental, na influência de, sobretudo, Robert Rauschenberg e Jean-Michel Basquiat. Nesta conjugação voraz entre dois mundos distintos e através da utilização de cores vivas, gestos intensos, objetos específicos, entre outros elementos, a sua obra transforma-se em odes cheias de referências globais e locais. Deste modo, é possível o artista retratar o mundo como um todo e as personagens que o habitam como uma representação da humanidade. É nesta hipótese que a pintura Desperate (2000) pode ser interpretada. Duas figuras são duplamente representadas em posições similares. A figura masculina aparece de braços abertos e a figura feminina sobreposta pousa no seu colo, numa referência à Pietà. A frase escrita – “can you hear my voice” – parece ecoar uma estória universal repleta de poesia e contemporaneidade.

Em 2009 fundou a Zero Point Art, na cidade do Mindelo, na Ilha de São Vicente em Cabo Verde. Este espaço multidisciplinar tornou-se uma referência cultural, destacando-se na programação de música, cinema e artes visuais.

Hugo Dinis

Alex da Silva
Desperate
2000
Tinta acrílica sobre tela
170 x 280 cm
Inv. 566468
Partilhar Facebook / Twitter