Juan Araujo

El jardín de los senderos que se bifurcan
© Fausto II, 2009. Óleo sobre tela. 27 x 22 cm.
© Culturgest, 2018. Vera Marmelo.
© Culturgest, 2018. Vera Marmelo.
© Culturgest, 2018. Vera Marmelo.
© Culturgest, 2018. Vera Marmelo.

Curadoria: Delfim Sardo 

Artista venezuelano atualmente residente em Portugal, Juan Araujo (1971) tem vindo a desenvolver um trabalho em pintura e desenho definindo um mapa de relações que oscilam entre a história da arte recente, sobretudo a memória do modernismo, a arquitetura moderna – com uma tónica na arquitetura moderna do Brasil e da América Latina –, e o pensamento sobre o labirinto de referências que definem os processos criativos. Cada exposição de Araujo é uma floresta de conexões e remissões, um palimpsesto de narrativas para a obra de arquitetos como Luis Barragán, Pancho Guedes, Burle Marx ou Lina Bo Bardi e de artistas como Mark Rothko ou, mais recentemente, Jorge Molder, que vão constituindo um mapa cultural ou um imenso cabinet d’amateur.

A própria estrutura da exposição que o artista apresenta na Culturgest – concebida como uma instalação e centrada na ideia da apropriação da figura central das segundas vanguardas, Roy Lichtenstein – torna-se num jogo de reconhecimentos para o espectador.

20 OUT 2018
– 6 JAN 2019

Galeria
4€
Entrada gratuita aos domingos

INAUGURAÇÃO

SEX 19 OUT 22:00

VISITAS AOS SÁBADOS

20 OUT 16:00 com Juan Araujo
10 NOV 17:00 com Delfim Sardo
3 NOV, 24 NOV, 8 DEZ 17:00 com Ana Gonçalves

VISITAS Á HORA DE ALMOÇO

29 NOV 13:00 com Delfim Sardo
25 OUT, 8 NOV, 22 NOV, 13 DEZ 14:00 com Ana Gonçalves

VISITAS ORGANIZADAS

Mediante marcação:
Tel. 21 761 90 78
culturgest.participar@cgd.pt

Apoio

Interartis

25 Anos Culturgest

A Culturgest abre esta temporada no início de outubro, 25 anos depois da sua inauguração. Ao longo deste período, a Culturgest teve um papel significativo no desenvolvimento do tecido artístico que carateriza a cidade de Lisboa. Acompanhou o trabalho de encenadores e coreógrafos, produzindo novas criações e apresentando-as a um público crescente, encomendou obras a artistas visuais, organizando exposições individuais e coletivas, realizou concertos de música, do fado ao jazz, das músicas do mundo à música erudita, sempre com um olhar atento aos desenvolvimentos nacionais e internacionais. Ao longo dos anos, este programa artístico tem sido acompanhado por uma programação de conferências e debates e uma oferta diversificada de oficinas, visitas guiadas, encontros e espetáculos para escolas e famílias.

Para celebrar o seu 25.º aniversário, a Culturgest apresenta um programa com alguns dos nomes de maior destaque na criação e no pensamento contemporâneos. As festividades abrem com a estreia europeia do concerto Konoyo do músico canadiano Tim Hecker, acompanhado por um ensemble de música Gagaku do Japão, e continuam com o delicioso Bal Moderne, que regressa à Culturgest passados dez anos. Para um Mundo sem Fronteiras é o título da palestra que o pensador camaronês Achille Mbembe apresenta, numa das análises mais lúcidas e influentes do atual mundo pós-colonial e multicêntrico. As suas teses encontram ressonâncias no trabalho do artista plástico franco-argelino Kader Attia, que se apresenta na Culturgest com a sua primeira exposição individual em Portugal. Em simultâneo, apresenta-se o trabalho do artista venezuelano, residente em Lisboa, Juan Araujo. Um dos pontos altos do programa 25 anos Culturgest é, sem dúvida, a peça Os Seis Concertos Brandeburgueses, a maior coreografia de sempre de Anne Teresa De Keersmaeker, executada por dezoito bailarinos da companhia Rosas e pelo ensemble de música barroca B’Rock, que interpreta a obra-prima de J.S. Bach ao vivo. Para finalizar, dois projetos participativos: Coletivo de Curadores, um grupo de colaboradores da Caixa Geral de Depósitos vai conceber e montar uma exposição a partir da coleção de arte contemporânea da CGD, com a ajuda da curadora Filipa Oliveira; de seguida a Culturgest convida organizações, escolas e associações locais para criar e manter 25 espaços verdes na zona envolvente do edifício-sede da CGD.

Partilhar Facebook / Twitter