Flat + Satisfyin Lover + Goldberg Variations

Steve Paxton / Jurij Konjar
© Hans Schubert.
© Hans Schubert.
© Hans Schubert.

No contexto do ciclo Steve Paxton, a Culturgest apresenta três peças históricas de Paxton, reinterpretadas pelo coreógrafo e bailarino esloveno Jurij Konjar.

O programa integra duas peças curtas dos primeiros anos do mítico Judson Dance Theater, abordando um dos temas centrais do coletivo: o que é dançar? No curto solo Flat, Paxton explora movimentos simples como andar, ficar sentado, assumir posições ou focar a atenção. Satisfyin Lover continua a mesma exploração ao apresentar 42 pessoas, selecionadas aleatoriamente, a atravessar o palco, seguindo um guião elementar.

As Goldberg Variations datam de uma fase posterior, quando Steve Paxton já tinha criado a famosa Improvisação de Contato. Nesta obra improvisada, Paxton desenvolve muitas das questões cruciais da dança pós-Cunningham, num diálogo comovente com a obra homónima de Bach, na interpretação de Glen Gould. No solo que apresentamos, Jurij Konjar revisita a obra original, a partir da observação de gravações da peça e uma prática diária prolongada, parcialmente em diálogo com Steve Paxton e Lisa Nelson. Em sintonia com o legado de Steve Paxton, a obra renasce em cada apresentação, como um encontro entre o bailarino, a música e o público. 

Neste dia é possível visitar a exposição Esboço de Técnicas Interiores, de Steve Paxton, até às 22:00. Haverá ainda uma visita guiada à exposição pelo artista, às 17:00.

A Culturgest apresenta o ciclo Steve Paxton que inclui uma exposição com curadoria Romain Bigé e de João Fiadeiro, apra além da apresentação destas performances históricas em palco. O programa Paxton não se esgota aqui. A transversalidade do seu trabalho traduz-se ainda numa série de cinco conferências (a primeira das quais com o próprio Paxton), dois workshops sobre Contacto Improvisação e Material para a Coluna, o envolvimento de escolas e a ativação do espaço expositivo numa arena performativa.

09 MAR 2019
SÁB 19:00

Comprar Bilhetes
Grande Auditório
14€ (descontos)
Duração 80 min
M/6

Flat (1964)

DE Steve Paxton

INTERPRETAÇÃO Jurij Konjar

 

Satisfyin Lover (1967)

DE Steve Paxton

COORDENAÇÃO Jurij Konjar

Goldberg Variations (1986/2010)

DE Jurij Konjar

BASEADO NA OBRA DE Steve Paxton

LUZ Robrecht Ghesquiere 

MÚSICA Goldberg Variations (Johann Sebastian Bach), interpretado por Glen Gould (1981)

AGRADECIMENTOS Steve Paxton e Lisa Nelson

PRODUÇÃO Jurij Konjar

COPRODUÇÃO Tanzquartier Wien

APOIO Ministério da Cultura da Eslovénia

Ciclo Steve Paxton

Coreógrafo, bailarino e improvisador norte-americano, Steve Paxton (1939) tem moldado continuamente a face da dança nas últimas seis décadas. Tendo iniciado a sua carreira nos anos 1950, Paxton dançou com José Limon e Merce Cunningham, foi um dos fundadores da Judson Dance Theatre, fonte de criações coletivas que lançaram as raízes da dança pós-moderna e membro fundador do coletivo de improvisação nova-iorquino Grand Union. Inventou duas técnicas – Contact Improvisation (Contacto Improvisação) e Material for the Spine (Material para a Coluna) –, e cruzou-se com artistas plásticos (como Robert Rauschenberg), tornando-se também marcante para o universo das artes visuais. Tudo isto enquanto escrevia extensamente sobre movimento (mais de cem artigos desde 1970) e atuava em espetáculos de dança improvisada por todo o mundo.

O seu trabalho tem vindo a influenciar coreógrafos e bailarinos, muitas vezes ao ponto de se perder a origem de algumas das suas pesquisas: a análise e integração de movimentos quotidianos (como caminhar), a importância do tato, do peso e do balanço e a abertura ao corpo não-técnico.

Em Portugal, o pensamento de Steve Paxton e do Judson Dance Theater tiveram uma influência decisiva em muitos dos integrantes da chamada Nova Dança Portuguesa, que partilhavam, em vários aspetos, as suas inquietações sobre a relação da arte e do quotidiano.

Partindo desta perspetiva, a Culturgest apresenta o ciclo Steve Paxton que inclui uma exposição com curadoria Romain Bigé e de João Fiadeiro e a apresentação de algumas performances históricas em palco. O programa Paxton não se esgota aqui. A transversalidade do seu trabalho traduz-se ainda numa série de cinco conferências (a primeira das quais com o próprio Paxton), dois workshops sobre Contacto Improvisação e Material para a Coluna, o envolvimento de escolas e a ativação do espaço expositivo numa arena performativa.

Partilhar Facebook / Twitter